Wednesday, January 07, 2009

Noite


Era noite. Paulatinamente todos os ruídos se calavam. As nossas palavras tornavam-se raras, como que desnecessárias. Sobrava o nosso amor, a presença partilhada da doçura dessa noite e do Todo. Eu não pensava em nada. Observava-te. Apenas. Uma abóbada de ramos e folhas por cima de nós. Mais além, a luminosidade do céu. O silêncio (o nosso). Já que os poucos ruídos da floresta só tornavam o nosso silêncio ainda mais audível. Deitámo-nos numa alcova de folhas, singela. E, de súbito, estamos só nós. Não há palavras. Não há sentido. Nem perguntas. Há uma evidência. Há uma violência de sentirmos uma felicidade que parece infinita…ou é? O céu estrelado por cima de nós, imenso, imperscrutável, e nada para além dele, apenas essa luz prodigiosa, essa vibração inefável, uma alegria sem sujeito e sem objecto – nada de mais em nós, na noite escura, do que a presença de tudo. Nós os dois, entrelaçados na carne e no sonho. Tudo era simples e sereno. Não precisas são palavras, tudo isto é silêncio e harmonia, é uma experiência de vida. Por isso, não preciso de te dizer o que quer que seja, nem mesmo que desejo que isto não termine. Não há carência, não há expectativa, há a presença pura do presente. A presença de mim em ti. Nada para além do real; do Ser em ti. Não há angústia nem medo, só a reconciliação com o mundo decorrente do facto de estar em ti. Não há questões, só a evidência – a verdade, sem serem usadas frases – só há a imanência de mim em ti e no Todo. Olho para ti e não preciso de desbaratar promessas e construir expectativas, está tudo aqui – entre nós e em nós. A Vida é só isto: a palpitação do ser em mim, veiculada na tua carne. Estremecemos. Terminou o momento em que fomos eternos. Deixámos então a eternidade continuar sem nós. Não importa, porque não sei habitar o absoluto. Sacudimos as folhas secas presas nos cabelos. Mora-nos um sorriso de cumplicidade – a de termos experimentado um momento presente que durou uma eternidade, numa realidade plena, sem anseios ou desejos. Era noite.



2 Comments:

Anonymous telma said...

Fui efectivamente espreitar o teu blog. E ainda não me fui deitar... É bom sinal.
Devo dizer que me surpreendeu, por um lado, porque escreves muitíssimo bem, não que fosse inusitado, quem gosta tanto de ler como tu, com a tua sofreguidão, vai aprendendo a transmitir para o papel (ou para o teclado, sem o qual já não vivemos, - faz mais falta que o tml, - diria eu) toda uma série de sensações que frequentemente experienciamos, mas que não nos ocorre descrever e só quando as lemos é que surge, como uma exclamação, aquela sensação de nos recordarmos vagamente de já termos sentido aquilo e algo começa a fazer mais sentido; por outro lado, fiquei admirada, porque me parecendo tu que tens um lado recôndito e reservado, te expões o bastante quando escreves, e isso chega a ser enternecedor, a não ser que sejam só considerações num plano ideal, ou seja, sempre presente a filosofia e a aspiração a....e não tanto a realidade daquilo sobre que se está a discorrer e aí já consigo perceber que é um salto com rede.
Enfim, eu que te conheço tão pouco é que estou aqui a tecer considerações, deve ser do adiantado da hora. De todo o modo, gostei, virei visitar-te mais vezes.
Um beijinho,
Telma

12:49 AM  
Anonymous Anonymous said...

Gonçalo

Tenho vindo a acompanhar o teu Blog e é com muita alegria que constato que andas a tirar o sono a certas cibernautas!!!Quem? A Telma :-)

5:58 PM  

Post a Comment

<< Home